sexta-feira, 28 de maio de 2010

Um Acre diferente


   Em minha última viagem ao Acre, no início de maio, confirmei a impressão que tive nas outras oportunidades em que estive lá. O Acre não é apenas mais um estado da região norte, da região amazônica. Ele conta com diferenças importantes e, na maioria das vezes, positivas em relação aos demais estados vizinhos e mesmo a outros estados do Brasil.
   O legado das lutas de Chico Mendes e dos seringueiros pesam bastante nessa avaliação, mas o progressismo da maioria do povo, e consequentemente da maioria dos poderes públicos, não se restringe a isso. Não é por mera coincidência que o salário médio dos professores da rede estadual de ensino do Acre é o maior de todo o Brasil. E também se nota maiores preocupações sociais dos governos estadual e municipais.
   Lutar sempre vale a pena. Os acreanos que o digam. Os professores naquele início de maio estavam em greve, organizados para a luta.
Rio Branco tem se humanizado com mais áreas de lazer público, parques, bibliotecas, museus, centros culturais. O interior do estado não fica atrás. O látex extraído das seringueiras do vale do rio Acre não precisa mais ser defumado, e transformado em borracha, em condições desumanas nos seringais, como até pouco tempo atrás e talvez ainda o seja em outras áreas produtoras da Amazônia. Ele é todo comprado pelo governo estadual e utilizado na fabricação de camisinhas na simpática e aconchegante cidade de Xapuri.
   Não quero fazer apologias. O Acre faz parte do Brasil e, obviamente, apresenta inúmeros problemas de todos os tipos, tão conhecidos de nós brasileiros. Mas que é saborosamente diferente, isso é.
Que tal você deixar de lado, pelo menos uma vez, nossas belíssimas praias? Ou adiar a ida àqueles destinos, embora fascinantes, tão batidos e previsíveis? Surpreenda-se!

   Todas as fotos aqui exibidas são minhas.

2 comentários:

  1. Eu me surpreendi com o Acre e creio que as características do povo (diferentes dos demais nortistas) tenham muito a ver com o seu passado histórico de lutas e conquistas.
    Contudo, todavia, no entanto... fiquei decepcionada com o que estava ocontecendo em Xapuri quando lá estive. Uma forte sensação de que as ideias e o legado do Chico Mendes passaram a ser um verdadeiro comércio. Na ocasião a Casa-Museu estava fechada, disputas politico- administrativas e acusações de fraudes seriam os motivos e seus familiares estariam envolvidos (não sei se procede, mas foi a informação que me deram).
    Outro fato "curioso" foi o caro valor cobrado por uma curta caminhada pelo seringal. Deu-me a impressão de que o lugar passou a ser passeio para turista estrangeiro endinheirado, tamanha era a contundência na afirmação das nacionalidades e repórteres que o ex-seringueiro e guia tinha recepcionado por ali.

    A foto acima é do Seringal Cachoeira? Tenho uma muito parecida, porem as construções estão com outras cores.

    ResponderExcluir
  2. Ambas as fotos sáo de maio de 2010, a primeira em Rio Branco e a segunda no seringal Cachoeira.

    ResponderExcluir